ANA LANFRANCONIRecordação não vivida e imagens que fazem história: uma série de colunas

Pensamento
2 Jul 2022

Como é que as imagens insistem em segregar os acontecimentos, para seu pesar? Que lugar atribuir àquilo que na nossa memória corresponde ao que nunca chegámos a viver? Como abordar a recordação alheia? Que espaço é esse entre a série de colunas que sustêm a história e o olhar que assiste ao seu colapso e reconstrução? Partimos de uma série de imagens de colunas que contam uma história: a durabilidade a todo o custo dos monumentos dos vencedores. E, ao mesmo tempo, essa história sabe que carrega a memória daqueles que, uma e outra vez, interrompem a continuidade sem fissuras das narrativas vitoriosas. Os passeios de Walter Benjamin, em criança, e o outro mundo de Grandville esboçam duas variações que saturariam esta série de ambivalência, levando a uma implosão em pequena escala da história dos vencedores e das suas colunas.

“Imagens de pensamento” dá título a este ciclo, organizado pelo Sismógrafo e com curadoria de Susana Camanho e Emídio Agra, que se propõe pensar as imagens e através das imagens. Com estas conferências procuramos cuidar o que Alexander Kluge chama um “jardim de cooperação”, um lugar que preserva os momentos em que a palavra e a imagem convergem de forma a produzirem algo novo, um espaço de discrepância e cooperação face às cacofonias da informação, face à manipulação industrial e escravização dos sentimentos. Este espaço de debate e polifonia teve um primeiro momento em Julho de 2020, com uma conferência da filósofa italiana Stefania Fantauzzi sobre o papel das imagens no pensamento de Hannah Arendt, e um segundo momento em Outubro, acolhendo R.H. Quaytman, João Barrento, Chantal Benjamin e Lais Benjamin Campos, desta vez com Walter Benjamin como figura central. No ano de 2021, pudemos assistir, em Junho, a uma conferência da filósofa Laura Llevadot sobre o estatuto político das imagens produzidas durante a pandemia. Em Julho, celebrámos o bicentenário de Baudelaire, com a conferência de Mario Campaña, “A experiência do Mal e a posteridade de Baudelaire”. Em Setembro, acolhemos Begonya Sáez Tajafuerce, com a conferência “Imagem-afecto: Corpo, pensamento e desejo”, em articulação com a exposição “The body – borrows a Revolver”.

Ana Lanfranconi é doutorada em Filosofia pela Universidade de Barcelona e investigadora do seminário Filosofia e Género / ADHUC — Centro de Investigação Teoria, Género, Sexualidade e membro do Grupo Arendtiano de Pensamento e Política. É licenciada em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela mesma Universidade e realizou estudos de Master no Departamento de Artes, Filosofia e Estética da Universidade Paris 8 Vincennes-Saint Denis, com especialização em Filosofia e Críticas Contemporâneas da Cultura. Escreveu a sua tese de doutoramento sobre a relação entre as imagens da infância e as formas de politização nos textos de Walter Benjamin. Em 2017, ganhou o Prémio Memorial Walter Benjamin, com o ensaio Kinder für die Auflärung. Infancias e interrupciones en las emisiones radiofónicas de Walter Benjamin (publicado por Documenta Universitaria). Participou no livro Penser avec les lèvres (L’Harmattan, 2019), editado por Laura Llevadot, Juan Evaristo Valls Boix e Patrice Vermeren, e em Palabras clave. Reflexiones para Fina Birulés (Icaria, 2020).

Apoio

  • Casa das Artes

Pensamento
2 Jul 2022

Conferência
Ciclo Imagens de Pensamento

Sábado 2 Julho 2022 15:30
@ Casa das Artes
Rua Ruben A, 210. Porto
ver no mapa

Entrada livre

Relacionados