ELENA LAURENZIA subversão do ícone. Figurações do feminino em María Zambrano

Pensamento, Fora de Portas
Qui, 13 Out 2022
19:00 – 20:00

Conferência
Ciclo Imagens de Pensamento

Quinta-feira 13 Outubro 2022 19:00
@ Casa das Artes
Rua Ruben A, 210. Porto
ver no mapa

Entrada livre

“Ao contrário das suas contemporâneas, as grandes pensadoras pioneiras de inícios do século XX, María Zambrano não parece disposta a colocar entre parêntesis a sua condição de mulher quando pensa ou escreve. A sua proposta surge claramente da decisão de enfrentar a tradição filosófica que a exclui e de a interpelar a partir de uma posição marginal – ou melhor, excêntrica – na fronteira entre pertença e estranheza. Na sua obra, a diferença sexual não aparece como uma parcialidade ou uma limitação, mas como uma heterogeneidade: o lugar de um conhecimento situado a partir do qual lhe é possível desenvolver uma proposta filosófica capaz de falar a homens e a mulheres. Uma parte relevante desta proposta está ligada a figuras e figurações femininas como Antígona, Heloísa de Argenteuil, Diótima ou Nina, a protagonista do romance Misericórdia de Benito Pérez Galdós. Ao reabilitar estas mulheres no campo da filosofia, Zambrano não se limita a iluminar a sua voz, obra ou façanhas, mas submete a sua representação a uma torção simbólica, oferecendo uma visão destas figuras que diverge da imagem icónica transmitida pela cultura hegemónica.” Elena Laurenzi

Elena Laurenzi é professora na Università del Salento (Itália) e na Universidade de Barcelona. Forma parte do ADHUC-Centre de Investigación Teoría, Género y Sexualidad, do GRC “Creación y pensamiento de las mujeres” e é coordenadora de investigação do Seminario Filosofia y Género. Dedica-se à teoria feminista e ao estudo das pensadoras do século XX. Publicou ensaios sobre María Zambrano, Simone Weil, Iris Murdoch e Françoise Collin. Editou e traduziu para italiano diversas obras de Zambrano, entre as quais a obra inédita Dante espejo humano e o epistolário com Elena Croce A presto, dunque, e a sempre (2015, obra vencedora do prémio Victoria Aganoor Pompilij). Entre as suas publicações destacam-se as monografias: María Zambrano, nacer por sí misma. Ensayos sobre Antígona, Eloisa, Diótima (1995), Sotto il segno dell’aurora. Studi su María Zambrano e Friedrich Nietzsche (2012) e Il paradosso della libertà. Una lettura politica di María Zambrano (Mimesis 2018). Editou, com À. Lorena Fuster, o número monográfico da revista Daimon “Contra la aridez. La propuesta filosófica de Iris Murdoch” (2013) e, com Marisa Forcina, uma dupla monografia na revista Segni e comprensione: “Reti filosofiche femminili. Ripensare la politica e la tradizione” (2015-2016). Ultimamente, as suas investigações têm-se centrado no activismo feminino dos inícios do século XX. Nesta linha, publicou Fili della trasmissione. Il progetto delle donne de Viti de Marco-Starace nel Salento del 900 (Grifo 2018), que expõe um caso de estudo dedicado a três gerações de mulheres do sul de Itália e editou, com Manuela Mosca, o volume colectivo A Female Activist Elite in Italy (1890-1920). Its International Network and Legacy (Palgrave 2021).

Ciclo Imagens de Pensamento

“Imagens de pensamento” dá título a este ciclo de conferências que abre um espaço na programação do Sismógrafo para pensar as imagens e através das imagens. Pretende-se com estas conferências unir o discursivo e a imagem, confrontá-los, reconhecer o potencial de uma imagem, de um fragmento, resgatando experiências vitais ameaçadas num presente incerto. Estes tempos da “pós-verdade” e dos “factos alternativos”, turbulentos e inquietantes, tempos de pandemias, de crises ecológicas, financeiras, políticas e sociais, são “tempos interessantes”, para usar a expressão popularizada por Eric Hobsbawm. Tempos interessantes especialmente para o pensamento. Pensar é já contribuir para uma mudança. Este ciclo reivindica uma cooperação entre a força expressiva da arte e a precisão da filosofia. Sem uma linguagem que as acolha, as imagens podem cegar-nos ou nada dizer. Com estas conferências, o Sismógrafo procura cuidar o que Alexander Kluge chama um “jardim de cooperação”, um lugar que preserva os momentos em que a palavra e a imagem convergem de forma a produzirem algo novo, um espaço para a discrepância e a cooperação face às cacofonias da informação, face à manipulação industrial e escravização dos sentimentos. Em tempos difíceis, de cisões e segregações, a cooperação apresenta-se como um antídoto do tribalismo (Richard Sennett). Para abrir na cidade este jardim, este espaço de debate e polifonia, o Sismógrafo convidou oradores ligados à filosofia, à estética, à crítica de arte, às artes plásticas e ao cinema que, em diferentes momentos e desde diferentes perspectivas, procurarão apresentar um diagnóstico do presente.

Folha de sala

Apoios

  • Casa das Artes 1400 px