Para além das nuvens: públicos/arquivos (Seminário/Seminar)

Quais são os fundamentos que estão na base da decisão em preservar determinado objecto artístico? Esta questão é sobretudo essencial quando essa escolha é efectuada por instituições - museus, centros de arte - que têm como função reter a memória de uma época.

Quando falamos especificamente da arte vídeo, esse é também um problema a necessitar de uma crescente reflexão: o que arquivar? onde? de que forma? Se as opções tomadas implicam uma consciência ética, estética e mesmo política do contexto onde se produzem é necessário ter em conta o modo de dar acesso à informação reunida, sobretudo neste tempo onde surgem novos dispositivos de armazenamento de informação, como as “nuvens públicas”.

Não menos importantes são as investigações actuais que abordam assuntos relacionados com a transferência de suportes analógicos para meios digitais. E novamente aqui surge o debate em torno da pergunta: o que preservar?

Durante os dois dias do seminário, Jason Simon e Óscar Faria dialogaram não só acerca destas questões, mas também de outras relacionadas com o percurso do artista, nomeadamente através de exemplos retirados da sua obra. Pretendeu-se ainda aproximar os participantes a “In and Around the Ohio Pen”, exposição que foi inaugurada dia 29 de Maio, no Sismógrafo.

A estrutura do seminário teve como fio condutor uma conversa que foi sendo pontuada por tópicos – arquivo, labor, prisão/clausura, crítica institucional (quarta-feira) e ontem, hoje, amanhã (quinta-feira) –, pretendendo-se ainda traçar uma espécie de retrato de Jason Simon, sobretudo tendo por base o material por si coligido para a ocasião (filmes de autor e registos documentais de exposições).

Foram ainda propostos textos de apoio quer directamente relacionados com a obra do artista, quer surgidos durante o processo de preparação do seminário, salientando-se neste particular os nomes de Derrida, Foucault, Pasolini e Benedict Singleton, autores que, de alguma forma, podem ser convocados para esta tarefa de construir um pensamento em torno do trabalho de Jason Simon.

Jason Simon (Boston, 1961) é professor no College of Staten Island – The City University of New York, onde foi fundador do corpo docente do Departamento de Media Culture. Simon trabalhou como curador assistente de filme e vídeo no Wexner Center for the Arts, onde implementou o Art and Technology Laboratory, para residências artísticas em cinema, e foi representado pela Pat Hearn Gallery 1994-1999. A sua obra foi exposta internacionalmente, incluindo o Whitney Museum Biennial; Neue Gallerie, Graz; ICA London; the Tang Museum; The New Museum e The Kitchen. Em 2013 co-organizou com Moyra Davey os dez anos do One Minute Film Festival, tornando-se posteriormente numa exposição no Mass MoCA. Em Nova York, Simon co-fundou a Orchard gallery, 2005-2008; foi co-curador da exposição itinerante Macho Man, Tell It To My Heart: Collected by Julie Ault, e é representado pela Callicoon Fine Arts gallery. Os seus vídeos são distribuídos por The Video Data Bank e os seus textos publicados na Artforum, Frieze, Purple, Parkett e Afterimage.

Óscar Faria (Porto, 1966), curador e crítico de arte, é um dos membros da equipa do Sismógrafo.

  • Participação limitada a 30 pessoas.
  • O Seminário decorrerá em inglês.

Inscrição presencial no Sismógrafo, ou através de mail@sismografo.org, válida contra comprovativo de pagamento (€10) à ordem de Salto no Vazio – Associação Cultural (NIB: 0010 0000 50560350001 11)

Com o apoio da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

What are the fundamentals that underlie the decision to preserve a certain artistic object? This question is specially essential when that choice is made by institutions - museums, art centers - whose function is to retain the memory of an epoch.

When we speak specifically of video art, this is also a problem in need of a growing reflection: What to file? Where? In what way? If the choices made involve an ethical awareness, aesthetic and even political context of where they occur, it is necessary to consider how to give access to the information, mainly in this time where new information storage devices appear, such as "public clouds".

During the two-day seminar, Jason Simon and Óscar Faria talked not only about these issues, but also others related to the artist's career, included through examples from his work. Another goal was to bring the participants closer to "In and Around the Ohio Pen", the exhibition which opens at May 29, at Sismógrafo.

The structure of the seminar had as guide a conversation that was be punctuated by topics — file, labor, prison/imprisonment, institutional critique (Wednesday) and yesterday, today, tomorrow (Thursday) — intending to draw a picture of Jason Simon, mainly based on the material collected by him for the occasion (author’s films and documentary exhibition records).

There was also proposed text support either directly related to the artist's work, whether arising during the seminar preparation process, emphasising in this particular instance names such as Derrida, Foucault, Pasolini and Benedict Singleton, authors who in some way, can be called to this task of building a thought around Jason Simon's work. Jason Simon (Boston, 1961) is a professor at the College of Staten Island, City University of New York, where he was founding faculty of the Department of Media Culture. Simon worked as an assistant curator of film and video at the Wexner Center for the Arts, where he established the museum’s Art & Tech lab for artist residencies in filmmaking, and was represented by the Pat Hearn Gallery from 1994-1999. His work has exhibited widely, including the Whitney Museum Biennial; Neue Gallerie, Graz; ICA London; the Tang Museum; The New Museum and The Kitchen. In 2013, ten years of the One Minute Film Festival he co-hosted with Moyra Davey became an exhibition at Mass MoCA. In New York, Simon co-founded the cooperative Orchard gallery, 2005-2008; he co-curated the traveling exhibition Macho Man, Tell It To My Heart: Collected by Julie Ault, and is represented by the Callicoon Fine Arts gallery. His videos are distributed by The Video Data Bank and his writing has appeared in Artforum, Frieze, Purple, Parkett andAfterimage.

Óscar Faria (Porto, 1966), curator and art critic, is one of the members of Sismógrafo's team.

  • Limited entries up to 30 people.
  • The seminar will be held in english.

Registration made at Sismógrafo, or through mail@sismografo.org, validated with receipt of payment (10€) to Salto no Vazio – Associação Cultural (NIB: 0010 0000 50560350001 11)

With the support of Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

previousnext