2015, 03.28, sábado/saturday 22:30 / Poesia Sonora, Alfredo Costa Monteiro

Poesia Sonora, Alfredo Costa Monteiro
Poesia Sonora, Alfredo Costa Monteiro
Poesia Sonora, Alfredo Costa Monteiro

O Sismógrafo apresenta uma noite de poesia sonora com Alfredo Costa Monteiro, no próximo sábado, dia 28 de Março, às 22h30. A palavra que se torna som e procura uma nova semântica, uma multiplicidade de sentidos. A voz que ecoa no espaço e perde o seu sentido literal, redefinindo simultaneamente as condições da sua origem, da sua propagação mas também da compreensão daquele que a ouve. O discurso fragmentado, a linguagem no limite. Uma experiência de teste à realidade redefinida por um instinto primitivo, gutural a partir de poemas originais em português, espanhol e francês.

Alfredo Costa Monteiro nasceu em 1962 no Porto mas cedo se mudou para França onde estudou escultura em Paris. Vive e trabalha em Barcelona desde 1992 focando-se na música improvisada, poesia visual e sonora e instalações. Musicalmente trabalha com o acordeão, gira-discos, electrónica e guitarra para criar peças que alternam entre o silêncio e o ruído mais áspero sempre com atenção detalhada para a textura, dinâmica e tensão. Com vários discos editados em editoras de todo o mundo, além do trabalho a solo colabora frequentemente com outros músicos e faz parte de vários grupos de improvisação, nomeadamente Cremaster (com Ferran Fages), Neumatica (com Pablo Rega) e Atólon (com Ruth Barberán e Ferran Fages). Tem ainda vindo a apresentar instalações sonoras em museus e galerias pela Europa. No campo da poesia já viu o seu trabalho editado em Portugal, Espanha e França; preparando neste momento várias edições, entre as quais um livro-objecto na portuguesa Qual Albratroz. Apesar de trabalhar em áreas aparentemente distintas existem fantasmas e preocupações que lhes são transversais. Por exemplo, na intersecção do campo sonoro com a poesia tem vindo a apresentar performances de poesia sonora tal como a que irá acontecer no próximo sábado no Sismógrafo. Esta será uma oportunidade de ver ao vivo um artista que se apresenta muito pouco regularmente na sua cidade natal.

Sismografo presents a night of sound poetry with Alfredo Costa Monteiro, next Saturday, the 28th of March at 22h30. The word becomes sound searching for new semantics and a multiplicity of meanings. The voice echoes in space and loses its literal meaning, redefining simultaneously the conditions for its origin and propagation but also the understanding of those who listen. The speech, fragmented; language pushed to the limit. An experience testing reality redefined by a primitive, guttural, instinct from original poems in Portuguese, Spanish and French.

Alfredo Costa Monteiro was born in Porto in 1962 but soon moved to France where he studied sculpture in Paris. He lives and works in Barcelona since 1992 working on improvised music, sound and visual poetry and installations. Musically he frequently uses the accordion, turntable, electronics and guitar to create pieces which alternate between silence and harsh noise but always focused on texture, dynamics and tension. With a great number of records released in labels throughout the world, apart from his solo works he frequently collaborates with other musicians and is part of several improvisation groups including Cremaster (com Ferran Fages), Neumatica (com Pablo Rega) and Atólon (com Ruth Barberán e Ferran Fages). He has also presented sound installations in museums and galleries around Europe. Costa Monteiro's work in poetry has been released in Portugal, Spain and France; and he is currently preparing various new poetry editions of which the to-be-published book-object in the Portuguese Qual Albatroz is one example. Despite working in several apparentely distinct areas there are ghosts and concerns that are transversal to all of them. For example, in the intersection of sound and poetry he has been presenting sound poetry performances like the one that will take place in Sismógrafo on Saturday. This will be a good opportunity to see an artist that plays/performs very unfrequently in his home town.

previousnext

entrada / admittance:€3