Wild sea money, <br>Vasco Barata <br>curadoria de / curated by João Silvério

Wild sea money* [João Silvério]

O título deste breve texto é uma apropriação do título da exposição de Vasco Barata noSismógrafo. A razão dessa apropriação prende-se com o modo como tenho observado o seu trabalho e como o epítome “selvagem” (Wild ou Savage, na locução inglesa que tem usado noutras obras e exposições) tem condensado uma reacção a um desnivelamento conceptual e imagético que me afectam e me suscitam dúvidas sobre a condição urbana e as suas estratificações sociais, económicas, literárias, musicais, plásticas, relacionais e até visionárias.

A escolha do título, a partir de uma frase dessa obra monumental da autoria de James Joyce intitulada Ulysses, conduz-nos para um território armadilhado em que o espaço e o tempo são determinantes na armadilha perceptiva que nos propõe. Tal como no trabalho de Vasco Barata, que é uma forma condicional de dar a ver e que nos interroga o corpo e o espírito perante a materialização dessas pistas que são as obras de arte que o artista produz. Mas Joyce não é aqui um pretexto, tal como não o é também Raymond Pettibon, artista contemporâneo de Vasco Barata, que desenhou o logotipo da banda punk Black Flag (1976, Califórnia, EUA), o qual é aqui apresentado sob uma outra forma, apropriada, transmutada e em que as formas são já outra pista que teremos de descodificar.

É reconhecida a importância que as imagens representam no universo criador deste artista, mas é também inegável que esse universo se distende numa miríade de formulações a partir dessas imagens enquanto símbolos de uma cultura fragmentada, wild se quisermos, voraz e selvagem na forma como nos conduz, sob a aparência desses símbolos e referentes, para uma encruzilhada permanente que se vai desdobrando em espaços múltiplos e anacrónicos.

Uma obra realizada a partir de diversas imagens que nos são familiares pode sintetizar o processo de trabalho de Vasco Barata. Essas imagens representam figuras humanas de costas, que carregam uma vulgar mochila num contexto urbano. Esta é uma imagem que é coeva do tempo em que vivemos, como símbolo de um nomadismo urbano, de alguém (qualquer um de nós) que se encontra em permanente movimento, como se a cidade se constituísse como umhabitat denso e inifinitamente percorrível, em que é absolutamente necessário sermos nós mesmo autoportantes, como se não bastasse a locomoção de que somos dotados.

A mochila é então uma extensão do corpo que se move na cidade como outrora este se movia em terrenos desconhecidos, numa expedição pela natureza dentro. Às costas passámos a ter uma pelagem de imagens que se identificam como modos de vida, atitudes políticas, mensagens e símbolos que proferem desejos e agregam o imaginário colectivo. Numa dessas imagens está impressa uma coruja que nos olha, com as cores de um animal selvagem, livre, que habita uma ideia ainda persistente de um estado natural que vamos resgatando continuamente à nossa consciência do mundo. Esse lugar primordial está intimamente ligado a uma imagem da natureza que buscamos na literatura, no cinema, nas viagens imaginadas e porventura num desejo de escapar à cidade que cortejamos e construímos e que, tornando-se insuportável, não nos consegue ainda saciar.

Tudo isto é tão contraditório como o quotidiano que vivemos, como uma espécie de ciclo diário entre a maré-baixa e a maré-alta que se repete e traz consigo todo o que virá a levar e a devolver sob uma forma diferente, mas num movimento semelhante. Como as pedras que parecem sobrar sobre a areia e que em tempos diferentes farão ressoar esse apelo a um estado primevo, contudo um estado que é um desejo resiliente, resistente e inexpugnável, como a natureza sonhada, mesmo nas entranhas da paisagem urbana que percorremos incessantemente.

James Joyce, Ulysses [1922], Oxford University Press, Oxford, 1993, p. 37.

VASCO BARATA (Lisboa, 1974) vive e trabalha em Lisboa. Licenciado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa, com estudos paralelos em Fotografia e pós-graduado em Desenho, pela mesma Faculdade. Frequentou em 2006 o Curso de Artes Visuais do Programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística (Fundação Calouste Gulbenkian/ Ar.Co). Frequenta actualmente o Doutoramento em Arte Contemporânea no Colégio das Artes – Universidade de Coimbra. Desde finais dos anos 90, Vasco Barata tem vindo a apresentar o seu trabalho sob diversas formas, alternando sobretudo entre uma investigação aturada no domínio da construção e percepção da imagem (através do recurso à prática da fotografia e do vídeo) e uma tentativa de compreensão dos mecanismos da expressão aliados à prática diária do desenho. Articula, nas suas obras, um interesse particular pelo cinema e pelas estratégias cinematográficas, pelos códigos da linguagem e por um vasto leque de referentes da cultura popular. Das últimas exposições individuais destacam-se: “Spooky Action at a Distance”, Fonseca Macedo Arte Contemporânea (Ponta Delgada, Açores, 2016); “Um Peso Fantasma”, com curadoria de Albano da Silva Pereira, CAV – Centro de Artes Visuais (Coimbra, 2014) e “Les Apaches”, Appleton Square (Lisboa, 2013).

JOÃO SILVÉRIO, nasceu em 1962. Fez estudos em Pintura e Filosofia e é Mestre em Estudos Curatoriais pela Faculdade Belas-Artes da Universidade de Lisboa/Fundação Calouste Gulbenkian. É curador da coleção de arte contemporânea da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Inicia a sua actividade como curador independente em 2003. Seleção de projectos e exposições: “A curiosidade não matou o gato”, de Luís Paulo Costa, Galeria da Livraria Assírio & Alvim (Lisboa, 2003); “Desenhos”, de Joana Rosa, Galeria da Livraria Assírio & Alvim (Lisboa); “L'Inceste”, de Vasco Araújo Museu Nacional do Azulejo (Lisboa, 2005); “Stream”, Galeria White Box, (Nova Iorque, 2007); “A Luz por Dentro – Colecção da Caixa Geral de Depósitos”, Palácio da Quinta da Fonte da Pipa (Loulé); “Imaginário da Paisagem – Colecção BESArt”, Centro de Artes de Visuais (Coimbra, 2010); “all to wall, Parte I Parte II”, Cristina Guerra Contemporary Art (Lisboa, 2011); “Dois Desenhos, Uma Escultura”, de José Pedro Croft , Appleton Square (Lisboa, 2012). Cria o EMPTY CUBE em Outubro de 2007, que tem apresentado projetos de artistas, designers e arquitetos. Encontra-se a elaborar a dissertação da sua tese de doutoramento em Arte Contemporânea no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.





Wild sea money
[João Silvério]

The title of this brief text is an appropriation of the title of Vasco Barata’s exhibition at Sismógrafo. The reason for this appropriation relates to the way I have observed his work and how the “wild” epitome (Wild or Savage, in the English phrase he has used in other works and exhibitions) has condensed a reaction to a conceptual and imaginary unevenness that affect me and raise me doubts about the urban condition and its social, economic, literary, musical, plastic, relational and even visionary stratifications.

The choice of the title for the exhibition, from a phrase of that monumental work by James Joyce entitled Ulysses, leads us to a trapped territory in which space and time are determinant in the perceptive trap that he proposes to us. As in the work of Vasco Barata, which is a conditional form of seeing and that interrogates the body and the spirit before the materialization of these clues that are the works of art that the artist produces. But Joyce is not a pretext, nor is Raymond Pettibon, an artist contemporary of Barata, who designed the logo of the punk band Black Flag (1976, California, USA), which is presented here in another form, appropriated, transmuted and in which the forms are already another clue that we will have to decode.

The importance that images represent in the creative universe of this artist is recognized, but it is also undeniable that this universe is spread in a myriad of formulations from these images as symbols of a fragmented culture, wild if we want, voracious and savage in the way it leads us, under the appearance of these symbols and referents, to a permanent crossroads that unfolds in multiple anachronistic spaces.

A piece made from several images that are familiar to us can synthesize the work process of Vasco Barata. These images represent human figures from their backs, carrying a backpack in an urban context. This is an image that is contemporary of the times in which we live in, as a symbol of an urban nomadism, of someone (any of us) who is in permanent movement, as if the city was constituted as a dense and infinitely walkable habitat, in which it is absolutely necessary that we ourselves are self-bearing, as if our locomotion capacity was not enough.

The backpack is then an extension of the body that moves in the city as it once moved in unknown territory, in an expedition through nature. In our back we now have a coat of images that identify as ways of life, political attitudes, messages and symbols that utter desires and aggregate the collective imaginary. In one of those images an owl is printed, looking at us, with the colors of a wild, free animal, inhabiting a still persistent idea of a natural state that we are continually rescuing from our consciousness of the world. This primordial place is intimately connected with an image of nature that we seek in literature, in cinema, in the imagined travels and perhaps in a desire to escape the city that we court and build and that, becoming unbearable, can not yet satisfy us.

All this is as contradictory as the everyday life we live, as a kind of daily cycle between the low tide and the high tide that repeats itself and brings with it everything that will come to take and give back in a different form, but in a similar movement. As the stones that seem to remain over the sand and which in difficult times will resonate that appeal to a primeval state, nevertheless a state that is a resilient, resistant, inexpugnable desire, as nature dreamed, even in the innards of the urban landscape that we unceasingly travel.

*James Joyce, Ulysses [1922], Oxford University Press, Oxford, 1993, p. 37.

VASCO BARATA (b.1974, Lisbon, Portugal) lives and works in Lisbon. He holds a Bachelor’s degree in Painting from the Fine Arts Faculty of the University of Lisbon, with parallel studies in Photography and a post graduation in Drawing, by the same University. In 2006 he attended the Visual Arts Course of the Gulbenkian Program Creativity and Artistic Creation (Foundation Calouste Gulbenkian / Ar.Co). He currently attends a PhD in Contemporary Art at the College of the Arts – University of Coimbra. Since the late 1990s, Vasco Barata has been presenting his work in a variety of ways, alternating mainly between careful research in the field of construction and image perception (through the use of photography and video) and an attempt to understand the expression mechanisms related to the daily practice of drawing. He articulates, in his works, a particular interest in cinema and cinematographic strategies, in the codes of language and in a wide range of references of popular culture. From his most recent exhibitions, the following stand out: "Spooky Action at a Distance", Fonseca Macedo Contemporary Art (Ponta Delgada, Azores, 2016); "Um peso fantasma", curated by Albano da Silva Pereira, CAV – Centro de Artes Visuais (Coimbra, 2014) and "Les Apaches", Appleton Square (Lisbon, 2013).

JOÃO SILVÉRIO (b.1962, Portugal). He studied Painting and Philosophy and holds a master degree in Curatorial Studies by the Fine Arts Faculty of the University of Lisbon / Calouste Gulbenkian Foundation. He is the curator of the contemporary art collection of the Luso-American Development Foundation. He began his activity as an independent curator in 2003. Selection of projects and exhibitions: "A curiosidade não matou o gato", by Luís Paulo Costa, Gallery of the Assírio & Alvim Bookstore (Lisbon, 2003); "Desenhos", by Joana Rosa, Gallery of the Assírio & Alvim Bookstore (Lisbon); "L'Inceste", by Vasco Araújo, National Tile Museum (Lisbon, 2005); "Stream", White Box Gallery, (New York, 2007); “A Luz por Dentro – Colecção da Caixa Geral de Depósitos”, Quinta da Fonte da Pipa Palace (Loulé); "Imaginário da Paisagem - BESArt Collection", Center for Visual Arts (Coimbra, 2010); "All to wall, Part I Part II", Cristina Guerra Contemporary Art (Lisbon, 2011); "Dois Desenhos, Uma Escultura" by José Pedro Croft, Appleton Square (Lisbon, 2012).

previousnext